Sindicato do Comércio Atacadista e Distribuidores do Estado do Paraná » Encontro do Sistema Comércio reafirma compromisso com a sustentabilidade
  • Bem-vindo(a) Ao portal SINCAPR - Sindicato do Comercio Atacadista e Distribuidores do Estado do Paraná

Encontro do Sistema Comércio reafirma compromisso com a sustentabilidade

Encontro do Sistema Comércio reafirma compromisso com a sustentabilidade

Postado em: junho 14th, 2018 por: Encontro do Sistema Comércio reafirma compromisso com a sustentabilidade

Mais de cem representantes do Sistema Comércio estiveram reunidos no primeiro Encontro Nacional de Sustentabilidade, realizado nos dias 6 e 7 de junho, no Teatro Sesc-Senac, no Rio de Janeiro.

O encontro discutiu as práticas sustentáveis desenvolvidas pelas instituições do setor e também inovações e tecnologias ecoeficientes que vêm mitigando os impactos ambientais das ações empresariais do comércio, gerando oportunidades para ganhos de negócio. Destaque também para a reformulação do Ecos – Programa de Sustentabilidade, que agora está de acordo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), instituídos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

A mesa de abertura contou com as presenças de Alexandre de Marca, chefe da Divisão de Saúde e Recursos Humanos da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), representando o presidente da entidade, Antonio Oliveira Santos; Carlos Artexes, diretor-geral do Sesc; José Carlos Cirilo, diretor-geral em exercício do Senac; Geraldo Roque, chefe da Assessoria de Comunicação da CNC; Janaína Pochapski, diretora de Saúde, Assistência e Lazer do Departamento Nacional do Sesc; e Márcia Leitão, assessora de Comunicação do Senac.

O comércio e novo consumo

Na abertura do encontro, o chefe da Divisão de Saúde e Recursos Humanos da CNC, Alexandre de Marca, ressaltou a importância do evento para as três entidades do Sistema Comércio: “É um marco histórico que integra nossas instituições e fortalece o Programa Ecos. Temos obrigação de ser transformadores nas atividades do comércio, mas também na difusão de novos hábitos de consumo no País”.

Carlos Artexes, diretor- geral do Departamento Nacional do Sesc, ressaltou a importância da dimensão social do chamado Triple Botton Line, o tripé da sustentabilidade (aspectos econômicos, ambientais e sociais): “O trabalho social está na raiz da nossa missão. O bem-estar não está só relacionado ao indivíduo, mas está também na centralidade da questão social, na sustentabilidade da própria vida humana”.

Já o diretor-geral em exercício do Departamento Nacional do Senac, José Carlos Cirilo, destacou que as dimensões da sustentabilidade corporativa vão além da redução dos riscos ambientais. “Ela atenta para as relações éticas entre os indivíduos, para os múltiplos cuidados com o coletivo, com a sociedade e o amanhã”.

De acordo com Cirilo, o Programa Ecos, que passa por reformulação, é apenas um aspecto do nosso compromisso com o setor produtivo, que precisa estar em linha com os objetivos e os valores institucionais. “A sustentabilidade corporativa é um norte para nossas instituições”, concluiu Cirilo. 

Boas ideias são contagiosas

“Os problemas ambientais estão ligados às demandas sociais e podem gerar grandes impactos financeiros”, afirmou Celso Lemme, da Coppead/UFRJ, na palestra Sustentabilidade Corporativa. De acordo com Lemme, saem na frente as empresas que pensam nessa tríade como uma oportunidade de negócio.

Celso Lemme citou o exemplo de uma empresa que, ao modificar o layout de seus postos de serviços, gerou descarte de resíduos e, em parceria com uma rede de artesãs, transformou o material em brindes para seus clientes. “Além de capacitar e gerar renda, a empresa reduziu sua pegada ambiental e fortaleceu a imagem corporativa”, avaliou. Ele lembrou que o comércio é decisivo para impulsionar as cadeias de suprimentos e de valor: “É a atividade econômica que interage diretamente com o consumidor final e exerce pressão na mudança de padrões de consumo”.

Na sequência, Ricardo Rüther, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), discorreu sobre o status das tecnologias para geração das energias renováveis. Lembrou que a matriz energética brasileira é dominada pelas hidrelétricas (63%) e que, apesar de o clima do País ser favorável, a energia solar representa apenas 0,14%; e a energia eólica ,7,2% da matriz energética nacional.

Segundo ele, o setor elétrico pode se beneficiar ao abrir espaço a tecnologias de geração distribuída, como a solar integrada a edificações urbanas e conectada à rede elétrica, gerando energia no ponto de consumo. “Equilibrando a intermitência da energia solar ou eólica com a rapidez de controle das usinas hidrelétricas, teremos estabilidade da rede elétrica, ou seja, oferta energética a qualquer momento”, afirmou Rüther.

Na parte da manhã, ocorreu a palestra de Bárbara Dunim, representante da Rede Pacto Global, que fez um relato sobre a construção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU). Essa agenda compreende 17 objetivos, 169 metas e 231 indicadores, em sua grande maioria, integrados entre si. “Antes, a ONU desenvolveu os Objetivos do Milênio, que se caracterizam mais como uma agenda de Estado. Já a Agenda 2030 é holística. Antes, o foco era na erradicação da pobreza, hoje envolve uma escala global que inclui os países ricos”, afirmou Dunim.

Após explicar cada ODS, Bárbara realizou uma oficina com os participantes, cujo foco foi orientar sobre a implementação dos objetivos em ambientes de negócios.

Logística reversa: um processo em avanço

Outro ponto importante na pauta do primeiro dia de evento foi o debate sobre Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e a aplicação da logística reversa em diferentes atividades do comércio. Cristiane de Souza Soares, da Assessoria de Gestão das Representações da CNC, apresentou um panorama sobre o status dos acordos setoriais que envolvem logística reversa pós-consumo, em especial dos segmentos de medicamentos, lâmpadas, pneus, baterias automotivas, embalagens de lubrificantes, de agrotóxicos, entre outros.

Após destacar detalhes de sistemas de logística reversa com alta e baixa adesão no País, Cristiane enumerou os desafios do Sistema Comércio para o sucesso desses programas nacionais, enfatizando a importância de se estabelecer um relacionamento continuado com as Secretarias de Meio Ambiente dos estados e das capitais, assim como as micro e pequenas empresas.

Nas palestras seguintes, Márcio Milan, superintendente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), e Willian Gutierrez, gerente de Operações da Reciclus, programa setorial voltado à coleta e destinação correta de lâmpadas, apresentaram exemplos de logísticas reversas em curso no País. Milan falou sobre a campanha Separe Não Pare, promovida pela Coalizão Embalagens, grupo formado por 23 associações empresariais signatárias do Acordo Setorial de Embalagens em Geral. Lançada em agosto de 2017, a campanha tem como objetivo informar, inspirar e mobilizar a população brasileira a separar e descartar corretamente os resíduos domésticos. 

Willian Gutierrez falou sobre o descarte de lâmpadas e questões operacionais que têm dificultado a implementação do programa em municípios brasileiros e conclamou aos representantes das Federações do Comércio a buscar maior aproximação com o programa, de forma a ampliar a adesão das lojas à implantação de PEVs (pontos de entregas voluntárias).

Fonte: CNC

Envie seu comentário: